Capa

O Exame Nacional de Revalidação de Diplomas (Revalida) é a prova criada pelos Ministérios da Educação e da Saúde para simplificar o processo de reconhecimento de diplomas de medicina emitidos por instituições de ensino estrangeiras. 


Este exame é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e representa a porta de entrada tanto para brasileiros, quanto estrangeiros que cursaram medicina no exterior, mas querem exercer a profissão no Brasil.


Para atuar como médico em nosso país, o recém-formado deve passar pelo reconhecimento de seu diploma por meio do processo de revalidação do diploma e, apenas após sua aprovação poderá solicitar ao conselho regional de medicina a autorização para trabalhar conforme a Lei nº 9.394 /96.


Quer entender melhor como esse processo funciona? Confira os seguintes tópicos:

  • Como revalidar diploma de medicina no Brasil?

  • Quem pode revalidar o diploma no Brasil?

  • Quais os locais e datas da prova?


O profissional interessado em revalidar diploma deve ficar atento aos prazos e datas para a realização da prova e se inscrever aqui. Desde 2019, foi sancionada uma lei que regulamenta o exame Revalida para ser realizado duas vezes ao ano. Saiba mais a seguir!

Como revalidar diploma de medicina no Brasil?

O exame unificado Revalida é aplicado em âmbito nacional para avaliar se as habilidades clínicas dos médicos formados no exterior são correspondentes a dos profissionais que cursaram universidades brasileiras. 


É necessário que o profissional tenha o  diploma recebido no exterior para realizar sua inscrição e conseguir passar pelas duas etapas do Revalida que contam com provas que avaliam competências técnicas, teóricas e práticas.


1ª etapa: prova teórica

A primeira etapa é divida em duas fases: a primeira (P1) é uma prova objetiva com 100 questões de múltipla escolha e cada questão vale 1 ponto cada. A segunda fase (P2) é uma prova discursiva com 5 questões que valem 10 pontos cada uma. 


A P1 abrange várias áreas do conhecimento, tais como:

  • Ginecologia e Obstetrícia;

  • Medicina Clínica;

  • Cirurgia Geral;

  • Pediatria;

  • Medicina da Família e Comunidade e Saúde Coletiva.


Já a P2 envolve cinco questões abertas que devem ser respondidas com justificativa da abordagem escolhida diante de cada enunciado.


As duas provas são aplicadas no mesmo dia. A prova objetiva tem duração de 5 horas, na parte da manhã e a discursiva de 4 horas, pela tarde. O total geral da primeira etapa é de 150 pontos e para conseguir passar para a etapa dois, o candidato precisa obter uma pontuação mínima, a conhecida “nota de corte” que é divulgada em cada edital. Esta nota de corte soma a pontuação alcançada em ambas as provas.


Após a publicação da versão definitiva da prova de múltipla escolha, segue o resultado preliminar para as questões discursivas e, assim, o candidato tem a oportunidade de entrar com recurso para recorrer individualmente pela correção do padrão de respostas da discursiva e tentar alterar as respostas do padrão publicado e consequentemente a sua pontuação total.


Somente após essa fase de análise é liberado o resultado da 1ª etapa. Assim, quem alcançar a nota de corte, poderá seguir para a inscrição na 2ª etapa. Aqueles que forem reprovados precisarão aguardar a próxima edição da prova teórica. 


2ª etapa: prova prática


Quem for aprovado na primeira etapa seguirá para a segunda etapa, que testa os conhecimentos práticos do candidato. Ela avaliará se o profissional possui as habilidades necessárias para lidar com as questões médicas do dia a dia.


Ela é composta por dez estações, em que o candidato deve cumprir as tarefas específicas exigidas.


As estações são divididas em dois dias de prova: 5 estações no primeiro dia, uma de cada área médica e outras 5 no segundo dia também uma de cada área médica. Cada estação da prova será pontuada de 0 a 10, tendo, ao final, a nota máxima de 100 pontos.


Em cada estação, os candidatos terão 10 minutos para realizar as tarefas, que podem incluir:

  • Anamnese

  • Realização de exame físico;

  • Interpretação de exames complementares;

  • Investigação de história clínica;

  • Formulação de hipóteses diagnósticas;

  • Demonstração de procedimentos médicos;

  • Estabelecimento de plano terapêutico e aconselhamento a pacientes e familiares.

Os pacientes simulados participantes das anamneses são atores contratados para simular diferentes sintomas para possibilitar a avaliação dos candidatos.


A avaliação da segunda etapa é mais complexa e conta com uma supervisão presencial, que é realizada por um Chefe de Estação alocado em cada uma das dez estações. Além dele, dois médicos irão analisar as respostas dadas por meio de filmagens realizadas nos dias das provas.


Os médicos avaliadores irão analisar o desempenho de cada candidato tendo como referência os seguintes contextos:

  • Atenção Primária;

  • Atenção Secundária: Ambulatorial e Hospitalar;

  • Atenção Terciária: Ambulatorial e Hospitalar;

  • Urgência e Emergência; 

  • Comunidade.


Após realizar a segunda etapa, o candidato deverá esperar pela divulgação dos aprovados. Quem obtiver nota maior que a de corte poderá ter a validação do diploma estrangeiro, que será emitido por uma instituição credenciada. Aqueles que não passarem da segunda fase, deverão esperar pela próxima edição do revalida, não precisando realizar novamente a primeira etapa. 


Quem pode revalidar o diploma no Brasil?

É necessário seguir os seguintes requisitos básicos para a participação:

  • Ser brasileiro (a) ou estrangeiro em situação legal de residência no Brasil,

  • Ser portador de diploma médico expedido por instituição de ensino superior estrangeira, reconhecida no país de origem pelo seu ministério da educação ou órgão equivalente, e autenticado pela autoridade consular brasileira

  • Ter registro no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF, emitido pela Receita Federal do Brasil,

  • Enviar imagens do diploma, frente e verso, tal como solicitado pelo sistema de inscrição.


Quais os locais e datas da prova?

Todos os anos os locais e datas da prova são divulgados via edital no site do INEP.  


É possível realizar a prova escrita da 1ª Etapa nos seguintes locais:

  • Brasília/DF, 

  • Porto Alegre/RS, 

  • Rio de Janeiro/RJ, 

  • Manaus/AM, 

  • Campo Grande/MS, 

  • Fortaleza/CE, 

  • Rio Branco/AC, 

  • Curitiba/PR, 

  • São Paulo/SP,

  • Salvador/BA. 


O anúncio do nome e endereço dos locais de prova é informado oportunamente, cabendo ao participante acompanhar as atualizações do site. A prova prática é realizada em local divulgado posteriormente à prova teórica.


Para mais informações sobre como revalidar diploma, é possível acessar o portal Carolina Bori. Ele foi criado em 2017 pelo Ministério da Educação com o intuito de disponibilizar uma plataforma para os profissionais brasileiros e estrangeiros tirarem suas dúvidas sobre a revalidação do diploma.


Ainda tem alguma dúvida sobre o assunto e quer se preparar para a prova revalida? Conheça nossos cursos preparatórios.